Qual a importância da Consulta Periódica com um médico urologista?

cuidados com a prostata e da consulta periodica

Navegue por tópicos:

Você é aquele paciente que só procura o médico apenas quando tem algum problema? Isso é bastante comum e muito perigoso, especialmente quando pensamos em doenças mais silenciosas, como o câncer de próstata. Por conta disso e de diversas outra questões, que torna tão importante a consulta periódica com um médico urologista.

E assim como já falamos em outros artigos o diagnóstico  precoce do câncer aumenta consideravelmente suas chances de cura. Especialmente quando aliado as técnicas mais modernas de cirurgia robótica para câncer de próstata.

A ideia de fazer check-up e consultas periódica com o médico serve para encontrarmos doenças antes que provoquem complicações. Não importa qual a doença, quanto mais cedo fizermos o diagnóstico, maior a chance de cura ou controle.

Por exemplo, o câncer de próstata não costuma causar nenhum sintoma quando está em fase inicial. Mas, se o paciente faz consultas regulares com o médico urologista, a doença pode ser descoberta a tempo de ser tratada e curada, geralmente com cirurgia robótica para câncer de próstata

Por que a consulta periódica ao médico urologista ainda é um tabu?

As consultas periódicas ou check-up da mulher é feito pelo ginecologista e o do homem é feito pelo urologista. 

É comum a mãe levar a filha ao ginecologista quando começam os ciclos menstruais; o mesmo não acontece com homens. 

Obviamente o homem não menstrua, mas recomendamos que as consultas no urologista comecem, quando o paciente inicia a vida sexual. 

De acordo com a faixa etária, existem problemas exigem monitoramento, ou seja, para cada idade existe um protocolo de check-up e realização de exames.

Infelizmente, muitos pacientes não procuram o médico urologista a por um problema bem conhecido: a vergonha

Muitos homens só procuram a orientação quando tem algum problema, pois tem vergonha de ser examinado pelo médico urologista. Principalmente de serem submetidos ao exame de próstata, um vergonha muito comum. 

Ao adiar a visita ao médico, o paciente não percebe que pode estar deixando uma doença se tornar agressiva e, muitas vezes, incurável.

Como é o exame preventivo para o câncer de próstata?

O termo preventivo é ruim, pois, na verdade, não conseguimos prevenir o câncer de próstata. O que fazemos é detectar precocemente a doença, pois quanto mais cedo fizermos o diagnóstico do câncer de próstata, maior a chance de curarmos o paciente.

E assim é selecionada a melhor forma de tratamento, seja a cirurgia robótica para câncer de próstata ou outra opção. Esse diagnóstico baseia-se na dosagem de PSA (exame de sangue) e exame da próstata (“exame de toque”).

O que é PSA?

O PSA (Antígeno Prostático Específico) é uma substância produzida pela próstata e dosada no sangue. O fato desse exame estar normal, não exclui a chance de câncer. É necessário realizar também o exame da próstata.

Quando devo começar a fazer os exames para detecção precoce do câncer de próstata?

Para prevenção de Câncer de Próstata, havendo histórico familiar, recomenda-se iniciar consultas com o Urologista a partir dos 45 anos; nos demais casos, aos 50 anos.

Como é feito o diagnóstico de câncer de próstata?

Se o paciente possui alteração no “exame de toque” (como um caroço, por exemplo) ou exame de PSA alterado, realizamos uma biópsia da próstata.

Como é feita a biópsia da próstata?

A biópsia é um exame feito sob sedação, com o paciente dormindo. Introduzimos um aparelho de ultrassom pelo ânus e, através da parede do intestino, identificamos a próstata e coletamos fragmentos de tecido desse órgão (geralmente 12). 

Esse material é enviado para análise por um médico patologista, que baseada em análise no microscópio, diz se há presença de células cancerosas e se a doença é pouco ou muito agressiva.

Cirurgia Robótica para câncer de próstata é a melhor forma de tratamento?

O tratamento para o câncer de próstata depende muitos fatores. Primeiro, precisamos estadiar a doença, isto é, precisamos saber se o câncer está apenas na próstata ou se há disseminação  da doença (metástases).

Para cada estágio da doença, há diferentes formas de tratamento. O papel do médico urologista é explicar cada uma dessas formas, incluindo vantagens e desvantagens de cada uma delas e, o mais importante, ouvir a opinião do paciente.

Quando a doença está localizada apenas na próstata, o “volume” do tumor é pequeno e o câncer é pouco agressivo, podemos, inicialmente, optar por apenas acompanhar o paciente. 

Isso não significa não fazer nada.  Realizamos a cada 6 meses ou anualmente exames de ressonância e biópsia da próstata, chamamos isso de vigilância ativa. Se os exames mostrarem que o tumor assumiu características agressivas, mudamos nossa conduta.

Ainda quando a doença é localizada, mas o paciente não deseja vigilância ativa, ou se as características do tumor não permitem isso, podemos operar o paciente ou realizar radioterapia, em que radiação é utilizada para destruir as células cancerosas. Há vantagens e desvantagens de cada técnica, que devem ser cuidadosamente abordadas na consulta.

A grande maioria das cirurgias que realizamos atualmente são robóticas, em que um robô reproduz os movimentos das mãos do cirurgião, permitindo maior precisão e destreza.

Hoje, uma das melhores formas de tratar o câncer é a cirurgia robótica, um método moderno, executado apenas por especialistas em urologia altamente capacitados e qualificados para esse tipo de cirurgia.  

Para saber mais sobre cirurgia robótica para câncer de próstata, clique aqui.

Marque sua consulta periódica conosco!

Caso queira tirar dúvidas sobre sua própria condição e ter um atendimento mais especializado entre em contato conosco hoje e agende sua consulta! E garanta com o Dr. Luiz Takano e tenha um atendimento personalizado. Agende hoje mesmo sua consulta periódica com nosso atendimento!

Dr. Luiz Takano <meta name="author" content="Doutor Luiz Takano, Médico Urologista. CRM 119.898">

Dr. Luiz Takano

Urologista – CRM 119.898
Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia.
Formação em Cirurgia Urológica Robótica na Johns Hopkins School of Medicine.

Agende sua consulta

Outros Artigos