Início » Câncer de Próstata » Radioterapia ou Cirurgia robótica: qual é mais eficaz para tratar câncer de próstata?

Radioterapia ou Cirurgia robótica: qual é mais eficaz para tratar câncer de próstata?

Radioterapia ou cirurgia robótica

O câncer de próstata é o segundo tumor mais incidente nos homens, estima-se que quase 66 mil novos casos da doença surjam no país este ano. E é uma doença assustadora para a maior parte os homens, pois costuma se associar o tratamento para câncer de próstata com perda de potência sexual. 

Mas a boa notícia é que a evolução tecnológica permitiu o desenvolvimento de formas de tratamentos eficazes e minimamente invasivas, como a cirurgia robótica, que permite, caso a doença seja diagnosticada em sua fase inicial,  taxas de cura superiores a 90% e preservação dos nervos responsáveis pela ereção.

Além da cirurgia há outras maneiras de tratar a doença, como radioterapia e ultrassom de alta frequência (HIFU). Considerando a diversidade de terapias, é comum que os pacientes questionam qual a melhor forma de tratar o tumor na próstata. 

Por isso, este artigo elaborado pela Clínica Takano visa mostrar as vantagens da cirurgia robótica e da radioterapia – e até a combinação de ambos – no combate ao câncer prostático. Confira! 

Quais fatores interferem na escolha do melhor tratamento para câncer de próstata?

A escolha do tipo de tratamento que mais adequado ao paciente depende de vários fatores

O médico urologista deve avaliar fatores relacionados ao tumor grau de agressividade, se o câncer está localizado apenas na próstata ou se já está invadindo estruturas vizinhas, idade e condições clínicas do paciente, bem como analisar outros aspectos como idade, condições clínicas e expectativas do paciente. 

Cirurgia robótica

A prostatectomia radical é o nome dado a cirurgia para retirada completa da glândula prostática e também das vesículas seminais. No caso de a doença já estar em estágio avançado, são retirados também os gânglios da pelve (ao lado da próstata e bexiga). 

Essas cirurgias podem ser realizadas com auxílio de um robô, o que chamamos de cirurgia robótica. Trata-se de cirurgia minimamente invasiva para remoção da próstata sendo realizada com sistema de alta tecnologia que permite que o cirurgião tenha melhor visão e movimentos precisos.

Vantagens da cirurgia robótica na prostatectomia radical 

Oferece várias vantagens sobre o método cirúrgico aberto tradicional:

  • Risco reduzido de complicações intra-operatórias, sobretudo menor sangramento;
  • Período de internação e recuperação mais rápido;
  • Permite visualizar os nervos responsáveis pela ereção, dissecá-los com maior precisão, preservando essas estruturas
  • Cicatrizes menores

Radioterapia 

Já a radioterapia consiste em emitir feixes de radiação sobre a próstata, para destruir as células cancerosas. Pode ser executada com 2 técnicas: radioterapia externa e braquiterapia. 

Na radioterapia externa, um equipamento fica próximo ao corpo do paciente e gera os feixes de radiação; a braquiterapia é feita por implante cirúrgico, de  “agulhas”” ou “sementes” de iodo radioativo dentro da próstata.

Essas sementes emitem radiação de forma localizada e ficam ativas por um período de dois a três meses. Depois disso, a capacidade de radiação delas é cessada.

Vantagens da radioterapia:

  • Não requer cirurgia (radioterapia externa), não havendo, claro, os riscos inerentes ao procedimento como sangramento intra-operatórios, complicações anestésicas etc
  • Não requer uso de sonda 

As principais desvantagens da radioterapia, porém, são as complicações que a radiação pode provocar em órgãos próximos a próstata, como bexiga e reto, levando a sangramento urinário e digestivo. 

Além disso, estudos sugerem que, para doença localizada, isto é, que está apenas na próstata, a radioterapia tem resultados inferiores em termos de sobrevida.

Em outras palavras, os pacientes submetidos a radioterapia parecem viver menos quando comparados aos pacientes submetidos a cirurgia. 

Em alguns casos, a radioterapia pode ser utilizada como única forma de tratamento; em outros, tem de ser combinada com a terapia hormonal. Além disso pode também ser usada como tratamento complementar a cirurgia robótica de próstata

Finalmente, cabe ressaltar que cada caso deve ser analisado por um especialista em urologia, que poderá indicar o tratamento mais efetivo para o paciente.

Sendo assim, agende sua consulta de rotina e lembre-se que o acompanhamento com urologista é o melhor caminho para detectar precocemente o câncer prostático e outras doenças relacionadas à próstata, o que permite maior chance de cura! 

Dr. Luiz Takano <meta name="author" content="Doutor Luiz Takano, Médico Urologista. CRM 119.898">

Dr. Luiz Takano

Urologista – CRM 119.898
Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia.
Formação em Cirurgia Urológica Robótica na Johns Hopkins School of Medicine.

Agende sua consulta

Outros Artigos