Proteína criada pelos músculos durante atividade física pode ajudar no combate ao câncer de próstata

Navegue por tópicos:

Sabemos que a prática regular de atividade física permite melhora dos níveis de pressão arterial, açúcar no sangue e colesterol, reduzindo, assim, o risco de doenças cardiovasculares como infarto e derrame. 

Além disso, o hábito de se exercitar com frequência reduz o risco de desenvolvimento de tumores agressivos de próstata

No entanto, ainda não haviam descoberto de que maneira a atividade física atuava como proteção contra o câncer.

Um estudo recente publicado em fevereiro de 2022, na prestigiada revista Nature,  identificou uma proteína produzida durante os exercícios físicos e que reduz o crescimento de células do câncer de próstata.

Continue lendo este artigo da Clínica Takano e saiba mais sobre este assunto!

Miocinas: proteínas que combatem o câncer de próstata 

Pesquisadores da Exercise Medicine Research Institute, Edith Cowan University, Austrália fizeram uma descoberta importante que traz esperança para o tratamento do câncer de próstata metastático resistente à castração.

Quando o câncer, que se iniciou na próstata, atinge órgãos à distância como pulmões e ossos  (metástases), não há mais chance de cura.

Nesse cenário de doença disseminada, podemos apenas administrar medicações para reduzir a produção de testosterona, reduzindo, temporariamente, a velocidade de crescimento do tumor. 

Após cerca de 12 meses, porém, a doença torna-se resistente a esse tipo de tratamento, sendo necessário iniciar quimioterapia. Chamamos esse quadro de câncer de próstata metastático resistente à castração, havendo baixo índice de sobrevivência, pois esse tumor continua a desafiar a ciência, não havendo, até o momento, forma de tratamento eficaz.

Liderados por Jin-Soo Kim, porém, pesquisadores australianos descobriram que uma substância produzida durante atividade física pode mudar essa história, as miocinas.  

Senhor de idade fazendo uma caminhada como recuperação para o câncer de próstata

O estudo reuniu 25 pacientes com câncer de próstata metastático resistente à castração. Esses indivíduos foram submetidos a programas de atividade física regular e intensa. 

Após o exercício, os pesquisadores coletaram amostras de sangue desses indivíduos, dosando os níveis de miocinas e, em seguida, aplicando o soro dos pacientes a células de câncer de próstata cultivadas em laboratório. 

Resultados da pesquisa

Os resultados foram espantosos. Os pesquisadores notaram que os as células tumorais cresceram mais lentamente nos pacientes que se exercitaram.

Num futuro próximo, essas informações poderão permitir o desenvolvimento de novas formas de tratamento mesmo para doença avançada. 

Contudo, no presente, a detecção do câncer de próstata em estágio inicial permanece como a única maneira de oferecer maior chance de cura ao doente. 

Dentre as formas de tratamento da doença, citamos a cirurgia robótica urológica

Cirurgia robótica urológica

Utilizando o auxílio de um robô, o cirurgião consegue visualizar o campo cirúrgico de modo ampliado, em alta definição e em 3 dimensões, e realizar movimentos delicados e precisos para remoção do câncer. 

Esse refinamento técnico se traduz em menor sangramento, menor dor no pós-operatório e menor tempo de internação.

O Dr. Luiz Takano é especialista em cirurgia robótica pela Johns Hopkins School of Medicine. Para agendar uma consulta, entre em contato com a Clínica Takano em SP!

Dr. Luiz Takano <meta name="author" content="Doutor Luiz Takano, Médico Urologista. CRM 119.898">

Dr. Luiz Takano

Urologista – CRM 119.898
Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia.
Formação em Cirurgia Urológica Robótica na Johns Hopkins School of Medicine.

Agende sua consulta

Outros Artigos