Novas descobertas sobre a formação de pedras nos rins

Veja as novas descobertas sobre a formação de predras nos rins

Navegue por tópicos:

Pedra nos rins ou cálculos renais são formados por substâncias que se agregam e formam pequenos cristais dentro dos rins ou nas vias urinárias, formando concreções que lembram pedras, daí seu nome.

Quando as pedras estão localizadas no interior dos rins, não costumam provocar dor. Mas quando as pedras se deslocam pelo fluxo urinário e alcançam o ureter, canal que liga o rim à bexiga, causam obstrução da drenagem de urina, que se acumula, causando dilatação do ureter e do rim e provocando dor lombar intensa, conhecida como cólica renal.

A evolução da tecnologia permitiu o desenvolvimento de formas minimamente invasivas para tratamento das pedras nos rins, sem cortes. Mas além do tratamento para remover os cálculos renais, é necessário entender como se formam as pedras nos rins, a fim de evitar que isso aconteça e um curioso estudo publicado em maio de 2021 trouxe informações inéditas sobre esse processo.

Quer saber mais sobre esse estudo? Continue lendo este artigo da Clínica Takano

Geobiomedicina

A pesquisa envolveu geólogos, biólogos e médicos de renomadas universidades americanas e identificou que o processo de formação das pedras nos rins parece ser semelhante ao processo de formação de algumas rochas, conhecido como biomineralização e que ocorre há bilhões na Terra. 

Vejas as respostas para as dúvidas mais comuns sobre pedras nos rins

Essa mudança contextual do entendimento de como surgem as pedras nos rins abre novos caminhos para novas formas de classificação e investigação da composição de cálculos, o que, por sua vez, permitirá, em um futuro próximo, definição de novos exames para avaliação de cálculos renais e novas estratégias clínicas, para evitar que a doença ocorra. 

Cirurgia a laser para tratamento de pedras nos rins 

Existem diferentes cirurgias para tratamento do cálculo renal. O médico urologista, baseado na história do paciente, exames de laboratório e características dos cálculos obtidas por exames de imagem (tamanho, localização e dureza) é quem deve decidir qual técnica é melhor indicada para cada caso.

Uma das formas mais eficazes e menos invasivas de tratar as pedras nos rins é a ureterorrenolitotripsia flexível.  Nesse procedimento, uma câmera, fina e flexível é introduzida através da uretra, passa pela bexiga e alcança o rim. Esse aparelho é controlado pelo cirurgião e permite olhar para cima, para baixo, para direita e esquerda. Isso garante uma exploração minuciosa e completa do rim. Identificadas as pedras, introduz-se uma fibra de laser pelo equipamento e pulverizamos os cálculos renais e o paciente recebe alta no mesmo dia.

Caso tenha dúvidas sobre pedra nos rins, agende uma consulta com o urologista Dr. Luiz Takano!

Dr. Luiz Takano <meta name="author" content="Doutor Luiz Takano, Médico Urologista. CRM 119.898">

Dr. Luiz Takano

Urologista – CRM 119.898
Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia.
Formação em Cirurgia Urológica Robótica na Johns Hopkins School of Medicine.

Agende sua consulta

Outros Artigos